Maternidade: experiência para toda a vida

Cortando cordões umbilicais

O cordão umbilical profissional

Escolhi cuidar da família: tranquei o doutorado. Escolhi ter saúde física e mental: tranquei o doutorado. Escolhi ser útil e me engajar em trabalho voluntário: tranquei o doutorado. Escolhi continuar a escrever no blog: tranquei o doutorado. Escolhi apostar em vocações até então adormecidas: tranquei o doutorado…

Nasceu uma nova Tatiana: o cordão umbilical com o doutorado foi cortado…

O segundo cordão umbilical de Mirela

Era agosto de 2011. Estava decidido: Mirela começaria a estudar no início de 2012, quando estaria com 2 anos e 2 meses quase completos. E estava escolhida a escola.

Depois de visitar creches, escolinhas de bairro, escolas legais e escolões internacionais, ficamos com uma escola legal.

Escola legal é a escola que eu queria para mim se fosse começar a estudar hoje. E que na verdade, me remete à escola que estudei a vida toda. Claro que com toda a modernidade que na minha época não tinha, como catraca eletrônica , sala multimídia com telão (na minha época era no máximo uma tv de 20″), tablets, etc… Mas o mais importante: uma escola cheia de calor humano, em que ela poderá crescer nela e cursar da educação infantil ao ensino médio, assim como foi comigo. E, desta forma, criar vínculos fortes com os amigos, como também aconteceu comigo…

Contou para a escolha: distância – um pulinho de casa, com direito a trânsito livre, sem engarrafamentos; horário – manhã, uma vez que já havíamos entrado numa rotina de horários semelhantes à que terá ao estudar pela manhã; preço – justo para o porte da escola;  plano pedagógico – Pedagogia de Projetos; estrutura física da escola – salas amplas, claras e arejadas, com 13 aluninhos/turma e 2 professoras; rotina – banho de sol no parquinho de areia, com animaizinhos para ver com direito a banho depois da brincadeira, tomado na própria sala de aula num  super espaço; acolhida –  fui várias vezes  na escola e sempre recebida com sorriso e pelo nome. Levei Mirela lá várias vezes antes mesmo de ser matriculada e passou quase  manhãs inteiras conhecendo a salinha de aula, brincando no parquinho, vendo os animais, os peixinhos, adorou! A avó também aprovou. Papai Ju, se apaixonou pela escola só em ouvir falar, mas fez questão de fazer uma visita também.

Ainda no período de análise, fui a uma palestra sobre educação oferecida aos pais de aluno –  já me considerando um deles. Mirela foi convidada para as festividades do Dia da Criança, e lá fomos nós…Enfim, procuramos fazer um vínculo mesmo antes de efetivar a matrícula. Resultado: Mirela é conhecida por todas as professoras da educação infantil e o pessoal da supervisão e coordenação, a quem ela faz questão de chamar pelo nome e dar tchau a todos antes de ir embora.

A adaptação…principalmente, dos pais…

Antes das aulas começarem, pensávamos que a grande tarefa de participar da adaptação de Mirela na escola caberia a mim, apesar do pai ter feito questão de tirar férias bem no início das aulas para poder acompanhar de perto também. As aulas começaram ainda em janeiro, e o primeiro dia foi exclusivo para as crianças do Infantil II e Infantil III, podendo os pais acompanharem de perto, tirar fotos, filmar, enfim, foi um primeiro contato oficial dos aluninhos e os pais, todos juntos, conhecendo e curtindo a escola. Com os pais juntos, para todos era só festa.

Segundo dia, ainda se permitiu a entrada dos pais, até mesmo os dois, mas percebi que Mirela começava a sofrer duplamente quando nos afastávamos: por mim e pelo pai. Nesse dia falei para meu marido: amanhã venho só eu, ok?

Terceiro dia, a iludida aqui achou que conseguiria deixar Mirela sozinha, mesmo chorando, mas o rebento não desgrudou daquela a quem passou 9 meses ligada por um cordão umbilical…Sequer desceu do meu colo, apesar de não querer ir embora. Saí da escola chorando pela tentativa frustrada e com uma decisão: passar a bola para o papai JU talvez fosse a melhor solução.

Quarto dia: Mirela foi só para a escola com o pai. Eu fiquei em casa chupando o dedo. A supervisora fez pessoalmente um trabalho incrível para a adaptação de Mirela, que teve sucesso com a colaboração do pai e a ausência da mãe (mãe chora neste momento de dura reflexão)…

Quinto dia: Mirela entra no carro chorando e exigindo minha presença. Fui com ela e o pai, mas só o pai desceu para ficar com ela. Voltei para casa e depois fui buscá-los. A partir daí decidimos qual seria a melhor logística que segue até hoje, sexta semana de aula: vamos sempre juntos deixá-la na escola, porém apenas o pai desce para levá-la até a sala. Conforme ela mesmo diz: “mamãe vem buscar!”.

Segunda semana: proibida veementemente a entrada dos pais. Papai Ju, ainda de férias, se nega, porém a sair da escola e resolve ficar de plantão na área externa (com mais meia dúzia de mães também inseguras). A supervisão se encarrega de confortar estes pais desesperados de instante em instante falando como seus filhos estavam se comportando. Mirela estava tão bem que tiraram fotos dela brincando, no colo da professora, etc, imprimiram e entregaram ao pai, para ele acreditar, pasmem!

Terceira semana: pai voltou a trabalhar, mas a logística continuou, com a diferença que depois de deixá-la ele foi trabalhar e quis me deixar de plantão na escola. Vendo que mais nenhuma das mães da categoria desesperadas estava lá, me recusei a fazer este papelão, e ganhei o rumo da rua. Voltei para buscá-la, recebi o feedback de uma manhã tranquila e ponto final. Estava concluída a adaptação de Mirela. Quer dizer, faltava só parar de chorar ao sair dos braços do pai para a professora ao chegar, mas isto foi resolvido sabe quando? Depois do carnaval! Isso mesmo! Quando todos pensavam que depois de 5 dias sem aula ía começar tudo outra vez, ela nos surpreende com um “tchau, papai! beijo!”, virando as costas e indo para o colo da tia, sem chorar…O pai voltou pro carro embasbacado e chorando: “pronto, agora foi de vez!”. E eu, orgulhosíssima da minha pequena estudante!

Cordões cortados, novos e importantes laços afetivos se formam

Mirela ama a escola. Fala encarrilhados os nomes de suas cinco queridas: as duas professoras, a supervisora e as duas coordenadoras. Ama todas! Chega a ficar brincando ainda por meia hora na escola depois que vou buscá-la. Adora vestir e mostrar a farda, a mochila, a lancheira, seus trabalhos manuais que eu faço questão de exibir em seu quarto. Adora o tio da aula de musicalização; adora a aula de música, a contação de história no pátio, as festinhas que já rolaram. Vê e revê os vídeos que fizemos dela no primeiro dia e na festa de carnaval, fala o nome dos amiguinhos, estranha se não é dia de ir para a aula…

Enfim, com muito carinho e esforço mútuo, conseguimos vencer todas as etapas da adaptação e eu estou adorando esta nova fase de preparar mochila, ajudar a fazer tarefinha, ler a agenda para saber quais foram as atividades…é tudo de bom. Mas confesso que se pudesse ser uma mosquinha ficaria lá na sala só para ver e curtir de perto seus novos relacionamentos e aprendizado…

Ela está plenamente adaptada…e eu? =/

12 comments

  1. Que lindo, Tati. Fiquei muito emocionada, pois sei que a minha vez vai chegar… (em um ano, quando a Duda tiver com 2 anos e 3 meses, quase como a Mirela). Essa adaptação deve ser muito dura principalmente para a mãe, mas o importante é que elas (filhas) estejam felizes!

  2. Oi Tati, acompanhava seu blog faz um tempinho mas nunca tinha comentado…nem sei como cheguei nele, rsrsrsrs, acho que foi pela Mariana Brizeno (a conheci na MEAC) mas sempre gostei dos posts… fiquei triste quando vi que vc não estava publicando mais, mas agora ADOREI o retorno!!!! Principalmente porque quando eu lia antes eu ainda não tinha bebê e agora tenho meu pequeno Heitor (que vai fazer 3 meses). Imagino como deve ter sido dificil sua decisão de “deixar” o doutorado, mas torço para que suas decisões sejam bem felizes e vc curta bastante este momento! E vou continuar acompanhando! Abraço grande!

  3. Que maravilha… mal posso esperar pela vez da Rafa, ano que vem ela também vai para a escola, ela terá mais ou menos essa idade da Mirela e espero que ela se adapte bem também, mas já me vejo chorando na porta da escola… rsrsrs

  4. BEm vinda novamente mesmo Tati! Essa adaptação é mesmo difícil, mas necessária! Mariana por aqui desde onze meses já fica em um Hotelzinho como dizem por aqui! beijão pra vcs!

  5. EI Tati.quando tempo heim..lembra de mim ainda????rsrsrs
    adorei a ideia de ter voltado ao blog,eu ando bem sumida do meu tb,aquilo esta as moscas,ninguem mais passa por la,mas de vez em quando ainda escrevo alguma cosinha pra deixa marcado…
    Adorei o post,alias adoro o jeito como escreve..
    A fase de adaptação na escolinha é realmente muito dificil,nosso coração de mae fica estraçalhado quando a cria fica la chorando neh…mas como tudo na vida passa,essa fase tb passa,todos passamos por isso.Rhyan vai pra creche desde 1 ano e 2 meses,e ama,me surpreendo cada dia com ele..Meu chambiquinho cresceu,hoje em dia falo com ele que ele nao é mais meu bebe,é meu rapaizinho e ele diz q nao..fazendo biquinho…na realidade ele mesmo adulto sera meu bebezinho..
    Abriu mao do doutorado pela familia,colocando a melhor coisa da vida a frente de tudo..parabens..temos mesmo que aproveitar cada conquista na vida de nossos filhos,sejam elas uma simples palavrinha nova que aprendem ou grandes coisas que façam nao eh??
    Ah!!coloca uma fotinha da princesa aqui..to louca pra ver como ela cresceu…
    Mil beijos na Mirela por mim ta…
    abraços
    Di

  6. Oi, Tatiana! Que bom que vc apareceu! Gosto muito do seu blog! E que bom Mirela estar adaptada. Você pode revelar o nome dessa escola encantadora? Bjos!

  7. …vc, tá ótima!!!!!!! Surpreendeu a gente! hahahahahah

    Mirela é uma criança muito abençoada!!!!!!!!

    …saudades!Quero ir um dia lá pegar ela com vc…em MAIO se DEUS QUISER!

  8. Tatiiii só eu que estava por fora desse retorno!!! Como pode hein?

    Adorei isso! E tenho certeza que as novidades serão muito boas, pois tudo o que o casal Bachur se propõe a fazer é com muito bom gosto e criativo!!!

    A gente vai se falando!

    Beijocas

  9. Que bom que voltou, adorei o artigo!

  10. ainda bem q vc voltou…vc não sabe o qto bem vc me faz qdo leio seus posts…é bom demais amiga…eu tava c muitas saudades d vc, notícias da pequena Mirela e ler suas histórias q se parecem muito c a d todas as mães de início de carreira como nós, mais vc da um tok mágico, nas suas palavras…amei sua volta…e a Mirela ta cada dia mais fofa…bjus

  11. vc tah nota dez!!!

  12. Muito bom, tem bastante coisa legal pra ler.

Leave a Reply